Apresentação

A biossegurança é um dos pilares da atuação da Plataforma Científica Pasteur-USP (SPPU). Esse conceito é aplicado de forma sistemática na SPPU por meio de capacitação e seguimento rigoroso de normas e procedimentos. Busca-se assim promover a segurança dos profissionais envolvidos nas atividades de pesquisa, evitando riscos à saúde humana e ao meio ambiente com a manipulação de agentes químicos e biológicos.


Todos os profissionais que atuam SPPU seguem uma série de regras estabelecidas pela Comissão Interna de Biossegurança, tais como: ter cobertura vacinal adequada; consultar-se com o médico do trabalho e obter o atestado de aptidão; realizar exames médicos periódicos; seguir os procedimentos indicados no Manual de Biossegurança, e participar dos cursos de capacitação oferecidos pela comissão. Periodicamente, são também são realizadas simulações para verificar se os conceitos ensinados nos cursos foram internalizados pelos profissionais.


São ações que visam à consolidação de uma cultura de biossegurança, de modo que os pesquisadores e técnicos tenham condições de identificar e notificar riscos, e de saber como proceder em caso de acidente. 


Dos 17 laboratórios da plataforma, quatro são de nível de biossegurança 3 (NB3), onde são estudados micro-organismos que transmitem doenças potencialmente letais. As instalações desses laboratórios são compostas individualmente por câmaras pressurizadas e filtros de ar para garantir a contenção de patógenos, além de terem acesso controlado. Apenas profissionais capacitados para lidar com esse nível de contenção podem atuar nesses laboratórios. 


Além disso, o acesso à plataforma, de uma forma geral, é controlado por biometria.